Função de designer é pintar caixinha de wireframe?

Função de designer é pintar caixinha de wireframe?

Antes que me atirem a primeira pedra, estou lançando a pergunta por este ter sido um tema de grande discussão no fórum do MBA em Planejamento, Gestão e Marketing Digital que estou cursando sob coordenadoria do iGroup. Nas cadeiras de planejamento, foi ensinada uma metodologia muito interessante para a construção de projetos web que, entre outros pontos, ordena arquitetura de informação, conteúdo e design necessariamente nesta ordem.

A metodologia defende que os wireframes simples, na verdade, não ajudam em nada. O arquiteto deveria montar os esqueletos do projeto com no mínimo um grau mediano de complexidade e depois o pessoal de conteúdo já determinar que chamada ficará em que local e com que quantidade de texto ou gráfico. Depois, o designer montaria o layout em cima dos wireframes montados.

Daí surgiu a pergunta que dá título a este post: a função da área de criação seria somente pintar caixinhas de wireframe? Ou, em outras palavras, os wireframes muito elaborados não engessariam o trabalho do designer?

A polêmica no fórum do MBA foi grande e acabou gerando até um podcast sobre o assunto, mas nada conclusivo. Decidi colocar a questão aqui para ver quais as opiniões dos leitores deste blog sobre o assunto, a idéia é explorá-lo, não o esgotar.

Antes que me perguntem, eu não tenho uma opinião formada sobre o assunto por falta de prática. Para quem não leu o meu currículo, eu não sou designer, sou jornalista. Tive como foco sempre a comunicação via web, tendo trabalhado a maior parte do tempo como redator dos dois grandes portais aqui de Pernambuco e um tempo como webwriter numa agência web. Somente de uns cinco meses para cá é que fui contratado como designer na SX Brasil.

Digo que não tenho experiência porque lá, apesar de ter clientes de grande porte como o Sebrae e a Chesf, a área de criação não é tão desenvolvida a ponto de termos arquitetos de informação, especialistas em usabilidade e designers. Wireframe ninguém nunca ouviu falar por lá. Acabo fazendo um pouco de tudo, desde estruturação de processos de navegação, design de interface, layout e codificação – agora em web standards, depois que apresentei à empresa um estudo mostrando as vantagens de metodologia. Portanto, a palavra está com vocês: função de designer é pintar caixinha de wireframe?

Walmar Andrade
Perguntas dos alunos

8 comentários
  • Para mim, o problema inicial, e que vejo se repetir em todo o lugar, é que o arquiteto da informação não deve assumir sozinho a responsabilidade da criação do wireframe e sim de seu gerenciamento. Ele deve elaborar um rascunho e validar com todos os setores envolvidos, inclusive o design de interfaces. Neste caso, a responsabilidade do designer começa antes no projeto e evita surpresas desagradáveis. De qualquer forma, durante a produção o wireframe pode e deve ser atualizado, desde que todos os envolvidos sejam notificados da alteração de planos. Há imprevistos que só correm mesmo durante a produção e aí vale um ajuste.

    []s

  • Olá. Sou publicitário, webdesigner, e arquiteto de informação. No momento estou atuando nas 3 áreas que vc. citou, atendendo um cliente que quer fazer 6 portais com conceitos e identidades visuais que sigam uma mesma linha.

    Fiz toda a arquitetura de informação, estudei conteudo, hierarquias e fiz a arte. Um processo que durou 3 meses até agora.

    O processo foi doloroso. Meu primeiro wireframe era composto por caixas coloridas, justamente pra dar peso e definir categorias e importancias de conteúdo.

    O cliente se confundiu. E muito. Sempre chamava o wireframe de layout. O projeto começou a andar pra trás.

    Tive que refazer os wireframes em preto e branco, e só assim ele foi aprovado, justamente por ser compreendido.

    Por ter participado de todo o processo, fazer a arte não foi difícil. Primeiro por ser um portal (e a parte difícil é o wireframe) e segundo por já estar com tudo na cabeça.

    Sem dúvida, a criação foi limitada, mas por outro lado o projeto fica protegido, assim como seu cronograma.

    Eu nunca tinha visto um wireframe colorido, muito menos com conteúdos e proporções próximas do real. Como o cliente se confundiu, pensei ter errado na escolha de produzir algo nesses moldes. Talvez não.

    um abraço!

  • Bom sou formado em ciência da computação, trabalho com desenvolvimento web e minha experiência em design e arquitetura da informação está em fase inicial, apesar de eu sempre está me informando a respeito.

    Mas vou colocar duas possibilidades para serem questionadas, melhoradas e possivelmente validadas pelos mais experientes na área.

    1. um wireframe inflexível onde não poderá ser modificado nada, somente pintado as caixinhas.

    Mesmo assim o trabalho do design será de muita responsabilidade, pois é essencial que as cores representem bem o produto ou a empresa e os elementos da página sejam mostrados de forma agradável. Só que mesmo assim se a equipe não for bem consciente das tarefas desse ponto pode ser que o designer se sinta um pouco sufocado e achar que o wireframe está deixando o layout engessado.

    2. Outra possibilidade é definir níveis de hierarquia das caixinhas do wireframe:

    a) tem que permanecer intacto ( tamanho e posicionamento )
    b) poderá ser modificado ( posicionamento )
    c) poderá ser modificado ( tamanho e posicionamento )

    Nessa segunda opção deixa o designer mais livre para fazer um trabalho inovador e mais participativo.

    O que eu gostaria de saber era a opinião de especialistas para indicar até que ponto tomar a primeira proposta, a segunda ou até sugerir outra possibilidade, para garantir o sucesso no produto final (site) e satisfação entre os membros da equipe.

    Lembrando que no Brasil acaba em boa parte dos casos tendo que ser feito todos essas etapas do desenvolviment o web por uma só pessoa. Como no seu caso Walmar.

    Abraço a todos.
    Até logo.

  • Concordo com o Valério, mesmo recebendo o wireframe definido o trabalho do designer é importantíssimo. Ele deve conseguir expressar da melhor forma os objetivos da empresa.

    Não concordo que isso acabe engessando o design, pelo contrário, isso pode inclusive prevenir erros no design, como incoscistência entre as diferentes páginas.

  • O wareframe deve ser construido junto a presença de um designer, resumidamente dessa forma empregaremos um belo layout e uma navegação bem elaborada.

  • Penso que a opnião do Designer é importante para prevenir possiveis erros (ou descuidos) do Arquiteto da Informação que venham a atrapalhar a confecção do design, não custa nada os dois profissionais discutirem antes de mostrar o wareframe pro cliente.

    Por outro lado eu poderia definir um bom Designer como aquele que em condições dadas ainda consegue um bom resultado (como o publicitário que dispondo apenas de 25 caracteres consegue passar a mensagem do produto), por isso acho que não limita a criatividade e sim a excita.