Estreitaram a banda larga

Minha primeira conexão em rede foi feita a 2.400 bits por segundo, quando comecei a descobrir a comunicação digital através dos BBSs. Cerca de um ano e meio depois, veio a primeira conexão na internet, em assombrosos 14.400 bps. Daquela época até hoje, a lentidão para se navegar na web é apontado como um dos principais fatores de irritação dos usuários.

As velocidades de conexão aumentaram com o tempo – 28.800, 56.600 e agora a banda larga indo de 300.000 bps para cima. O problema é que muitos desenvolvedores viram nisso uma oportunidade para encher os sites de apetrechos inúteis que aumentam o tempo de download e acabam fazendo com que a proporção tamanho das páginas versus capacidade de banda continue ruim quase como nos primórdios da web.

A banda larga existe para que os sites carreguem mais rapidamente, e não para que os designers façam layouts barrocos que, em nome da estética, prejudicando a experiência do usuário. E tome botãozinho que gira, efeitos de transição demorados, introduções e as temidas barras de loading do Flash.

Antes de encher um projeto com esses apetrechos, é preciso pensar o que realmente importa para os objetivos do projeto. É preciso também lembrar que 45% dos 11,7 milhões de usuários residenciais do Brasil não possuem banda larga.

Outro dado a ser levado em consideração é a pesquisa da Nielsen Norman Group que mostra que o tempo ótimo para resposta do computador a uma ação do usuário é de 0,1 segundo. Nesse tempo, o usuário não percebe que está interagindo com um sistema. Dez segundos é o tempo limite da capacidade humana de prestar atenção enquanto espera. Então, temos que fazer com que o tempo de resposta fique entre esses dois extremos, quando mais perto do primeiro melhor.

Sites totalmente em Flash – os grandes vilões do que chamo de estreitamento da banda larga – particularmente acho totalmente desnecessários, a não ser que o projeto realmente peça isso – como no caso de um Globo Media Center, por exemplo.

Não defendo aqui a pobreza estética, e sim o equilíbrio. Cada kbyte deve ser pensado e, se houver uma forma equivalente de se mostrar algo com menos peso, adote-a sem pestanejar. Outra dica importante – essa não precisava nem dizer – é construir projetos seguindo os web standards, o que pode reduzir em até 75% o peso da página.

Walmar Andrade
Perguntas dos alunos

2 comentários
  • Bom, barras de loading do Flash não são assim tão temidas e muitas vezes o próprio cliente pede uma mídia mais dinâmica no site (na home é bem freqüente) e o usuário muitas vezes gosta, pois impressiona bastante…. Claro que estou falando de coisas simples para dar somente um visual mais bacana ao site e não um completo show de efeitos (para isso existe o cinema).

    Comecei com BBS também, mas com uma velocidade de maravilhosos 14.400 era algo mágico na época (sinto uma lágrima no canto esquerdo dos olhos), mas hoje com uma velocidade maior em geral uns 48 ou 50kbp em média (é raro conseguir o máximo com internet gratuita) para grande maioria e banda larga para alguns, podemos dar uma experiência bem maior a esses usuários.

  • Ola, sempre leio os artigos em seu blog mas desta vez não senti muita firmeza em suas palavras.

    Atualmente mais de 70% do usuários da internet brasileria já possuem banda larga.

    Fonte: http://idgnow.uol.com.br/internet/2007/02/28/idgnoticia.2007-02-28.8077218967/

    Outra coisa, é possível criar sites que usem a plataforma do flash player quase tão rápidos quanto o XHTML normal.

    Para você ter uma ideia, no último projeto que estou trabalhando optei por trocar a combinação XHTML, CSS e JS nos padrões por FLEX e CSS para criar um frontend mais amigavel e menos gambiarroso do que em AJAX.

    Tomei essa decisão após instalar o google analytics e monitorar o site atual por 3 meses e perceber que só 7% dos visitantes tem internet discada, e ao invés de ignorar estes 7% irei criar a mesma pagina que em flex em XHTML mas apenas com recurso de visualizaçao dos dados e não inserção ou edição.

    Para constatar que os demorados loadings são culpa de programadores de má qualidade acesse o site:

    http://www.nike.com/index.jhtml?l=nikestore,home