O problema do desenvolvimento de sites para dispositivos móveis

Recentemente começaram a surgir discussões mais aprofundadas em torno do desenvolvimento de sites para dispositivos móveis.

As discussões giram em torno do contraste entre a idéia de unificação ou especialização.

A primeira idéia é a de trabalharmos um site único, separando informação, formatação e comportamento. Dessa maneira, seriam desenvolvidas folhas de estilo específicas para dispositivos móveis.

O objetivo é eliminar tudo o que não é essencial nesse CSS handheld e deixar somente o que o usuário realmente precisa.

Geralmente as pessoas associam isso a retirar imagens e animações, mas devemos lembrar que também é possível fazer sumir alguns conteúdos ou mesmo seções inteiras.

A segunda idéia é usar o domínio .mobi para sites projetados especificamente para dispositivos móveis.

Esse é um ponto polêmico por já termos visto que sites específicos costumam não receber a mesma atenção que o site principal, podendo acabar no limbo.

Entre uma coisa e outra, surgiu o senhor Steve Jobs com a navegação não-usual do recém-lançado iPhone.

Pelo que entendemos, o smartphone da Apple lê a folha de estilos para monitor (media screen) e, através do Safari, renderiza o site como se estivéssemos um desktop.

Para ler trechos do conteúdo, é preciso dar um zoom em cada área. A não ser que o layout seja líquido, responsivo.

Minha opinião é a de que quaisquer desses pontos ainda têm muito o que evoluir.

Não vejo com bons olhos a criação de sites específicos, mas concordo que as folhas de estilo para mobiles acabam recebendo pouca atenção da mesma forma.

Como a tendência é que cada vez mais esses dispositivos acessem a internet, ainda vamos ver tudo isso se desenvolver bastante.

Conteúdos relacionados

Perguntas & Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Acho interessante focar, que em cada ponto de vista, interfere e muito no comportamento à mídia online.

    Um domínio separado acredito que seja arriscado, e de certa forma, fica minha dúvida:

    Os mobiles serão uma nova fonte de conexão, como os desktops, ou serão uma nova fonte alternativa de acesse, com seus costumes e comportamentos diferentes ao desktop? Se terão o mesmo comportamento, não podemos ver diferença alguma, seja esse site acessado no desktop ou no mobile.

    Acredito que a tentativa de Steve Jobs ousada, mas necessitar do ZOOM pode bagunçar um pouco as coisas!

    Abraços

  2. Minha opinião é que os mobiles deverão se adaptar para as páginas, e não o contrário. Afinal um site não preparado para mobiles pode ser alvo de desejo de acesse via smartphones da mesmo maneira.
    As soluções para que os mobiles funcionem adequadamente já estão aí: o Iphone e o Opera Mini são exemplos. Cabe ver o mercado de mobiles se adaptando para esta demanda.

  3. Concordo com opinião do Prof. Luis Eduardo. Acho que os aparelhos devem se moldar aos sites e não o contrário. Em um futuro teremos mais aparelhos capazes de realizar a navegação de modo semelhante ao iPhone, ou seja, visualizando o site como ele é.

    Não adianta nada construir um site pensando em dispositivos móveis quando não existe um padrão no mercado… Nada pode garantir que o site ficará perfeito, só testes e mais testes. Existem diferentes tamanhos de tela, diferentes padões de aparelhos, tecnologias aceitas ou não, etc… Antigamente os telefones que usavam WAP precisavam de sites simplórios para que esta função fosse realizada bem… Agora, com a geração iPhone a coisa muda de figura…

    Esse assunto ainda vai render muito post na blogosfera…

    Abraços!

  4. Eu acredito que ainda é “bobagem” desenvolver sites para dispositivos móveis, sem uma necessidade real, pois mesmo com um grande avanço da técnologia móvel, ainda deixa a desejar nesse ponto. Minha opinião é: Não devemos nos adequar às limitações dos dispositivos móveis, e sim, eles terão que acompanhar a evolução da web.

  5. Esse assunto é bem interessante, mas eu não sei se sou totalmente a favor da idéia de “eles tem que se adequar”. Dispositivos movéis com acesse a internet, ao meu ver, não foram criados para se navegar como fazemos com o Desktop, e sim, para navegação rápida e acredito que todo mundo também veja dessa maneira.

    Só esse fator, já nos mostra uma diferença de perfil entre o desktop e o móvel. Além do óbvio, que é o tamanho útil da tela, muito menor nos móveis.

    Particularmente, sou a favor de criar folhas específicas para os móveis, escondendo o conteúdo “secúndario”, deixando em evidência a informação principal que o site tem que passar, não é uma tarefa difícil, e novamente cai no problema da não padronização dos navegadores, que em alguns casos não dão suporte a isso ou aquilo. Como, por exemplo, o IE Mobile que não acessa o media handheld por padrão, tendo que ser “hackeado” para que ele acesse.

    O iPhone tem uma proposta interessante de navegação, mas ainda assim, o considero um tanto ineficiente. Pelo menos, pelo que eu tenho visto em vídeos.

    Não tenho certeza do funcionamento do zoom no iPhone, mas acredito que ele não elimina a necessidade de ter que rolar a tela horizonalmente, o que é extremamente chato, e esse é um dos motivos que prefiro a folha de estilos específica para handhelds.

    Imagine ler notícias onde você tem que ficar dando zoom em áreas específicas para conseguir ler, quebrando toda a sequência do texto. Bem incômodo, não?

    Até! 🙂

  6. O grande diferencial do iPhone é mesmo a tela e o toque, claro. O Safari renderizando as páginas como no desktop não é novidade, porque outros navegadores para celular já tinham essa opção (IE para Windows Mobile e Opera Mini). A vantagem do iPhone está também no mercado de banda de dados.

    O preço de banda aqui ainda é problema, ninguém que tenha uma pacote de dados limitado quer gastar dinheiro carregando informação inútil.

    Concordo com quem fala que os aparelhos devem se adaptar às páginas e não o contrário, porém é preciso lembrar que nem todos os lugares é como no primeiro mundo onde os gastos com dados em mobile já não é uma grande preocupação. (Me senti um garotosemfio) 😛

  7. Eu também não gosto da idéia de ter um site para cada tipo de mídia. Isso vai contra filosofias propostas pela W3. Por exemplo, criar um site WAP eu não faço.

    Agora, fazendo um site com um bom XHTML, usando folhas de estilo próprias para dispositivos móveis, é uma boa. Afinal, folhas de estilo são para isso mesmo. Maaaaas, nem sempre é possível fazer isso. Por exemplo o gmail ou o twitter tem suas versões móveis, que eu uso bastante até, feitas especialmente para celulares.

    Se você usa um framework ou CMS bem feito, fazer as visões para dispositivos que não o computador fica fácil.

  8. Essa discução sobre CSS vs. url .mobi já estava foda. Agora com o iPhone complicou ainda mais. O iPhone nos ajuda, afinal é um trabalho a menos que temos que passar, mas de qualquer forma não adianta esperarmos por um futuro onde todos os dispositivos serão iguais ao iPhone, tendo em mente que quanto menor a tela, mais “mobile” ela é. E outra questão interessante é a extensão .mobi, que, como você (Walmar) disse, precisa de atenção em dobro de quem da manutenção no site. Não quero me prolongar muito, mas acredito que devemos acima de tudo, pesquisar um pouco antes de realizar um projeto, para ver a necessidade de uma versão mobile. (in)felizmente nem todo mundo usa mobile para tudo hoje. Temos que pensar no AGORA e sonhar com o futuro. Mesmo porque amanhã é o futuro.

    abraço