Não existe “acima da dobra”

Por ser um meio relativamente novo, a web tem por costume pegar emprestado termos de outras mídias para facilitar o entendimento. Algumas vezes isso dá certo, outras não. É o caso da expressão “deixa esse conteúdo acima da dobra, para ficar mais visível”.

A expressão “acima da dobra” vem do jornal impresso e se refere ao conteúdo que fica na parte da frente quando um jornal é dobrado para ser entregue. Esse conteúdo é o que fica exposto nas bancas e nas mãos dos jornaleiros, por isso ocupa uma área mais nobre na capa do jornal.

Transportado para a web, costuma-se dizer que o conteúdo “acima da dobra” é aquele que está antes da primeira rolagem da tela.

É aqui que entra a minha opinião de que isso simplesmente não existe.

Primeiro, uma página de web não é um jornal impresse. O usuário pode chavear estilos, acessar com leitores de tela, acessar do celular, do PDA e de outros dispositivos que não o tradicional computador de mesa.

Segundo, mesmo que acesse do computador de mesa, o que é acima da dobra?

Isso vai depender não só da resolução que está sendo usada, mas também de qual o navegador que está se utilizando, de quantas barras extras (como a Google Toolbar) estão instaladas, se o sistema operacional é Windows, Linux ou outro, qual a altura da barra do rodapé deste sistema operacional, se a janela está maximizada, se o tamanho da fonte não foi alterado etc. etc. etc.

São tantas as variáveis e possibilidades que na minha opinião é besteira ficar subindo ou descendo conteúdo alguns pixels para ele ficar “acima da dobra”. A dobra do designer não necessariamente será a dobra do usuário.

Internet não é impresso e temos que pensar um pouco fora da caixa, mantendo as coisas mais simples, enxergando o poder do usuário como novo paradigma.

Walmar Andrade
Perguntas dos alunos

25 comentários
  • Também não concordo muito com essa expressão na web, apesar de que, em alguns casos é possível sim fazer com que o conteúdo desejado apareça “acima da dobra”, como no caso do fechaTag.

  • Há meses atrás, tive um problema com um cliente, e exatamente com essa questão: “Acima da dobra”. O cliente me pediu que eu colocasse o site de uma maneira que todo o conteudo fosse visto sem que o visitante precisasse rolar a barra. Claro que, como um bom profissional, segui as recomendações dadas. O site(fontes, imagens, ilustrações) foi tão reduzido, que chegou a perder qualidade, e na minha opnião, ficar feio. No fim, ele gostou, e assim, deixei! fazer oq né?

  • Concordo com você. Seu artigo realmente mudou meu modo de pensar sobre esse fato.

    Temos que buscar a inovação dos termos referentes à informática, e não nos adequar aos existentes em outras áreas.

    Meus parabéns!

  • concordo, mas em partes:
    é claro que a área “acima da dobra” não pode ser calculada com precisão, mas nem por isso a parte superior da página deixa de ser nobre. Merece e muito levar isso em consideração ao desenvolver o layout.

  • Acho que é relativo.

    Coisas que queremos chamar a atenção num primeiro momento devem ficar num espaço superior pra chamar a atenção do visitante logo na 1ª olhada.

    Mas nada impede que logo que ele faça a rolagem alguma coisa chame a atenção, já que não dá pra colocar tudo ‘acima da dobra’.

    Acho que existe sim uma medida “segura” para ser visível (na maioria dos casos).

  • Talvez não exista mesmo, embora eu ainda tenha um pingo de dúvidas. Na minha opinião, o problema chega quando a preocupação com “acima da dobra, abaixo da dobra” vira prioritária. A primeira tela claro que chama mais atenção, mas os usuários estão cientes que eles devem rolar a página pois abaixo também tem conteúdo.
    Sinceramente não me preocupo muito com isso.

  • eu ja fiz um teste de usabilidade de um site em que o usuario precisava dar o login e senha. os campos ficavam abaixo da dobra. 4 dos 10 participantes simplesmente nao conseguiram se logar pq nao encontraram os campos… nao entraram, nao se logaram, nao compraram… o fato da dobra poder estar em varios lugares soh faz o problema mais serio… qualquer conteudo critico TEM que estar acima da dobra pra TODO mundo… cabe ao designer fazer trocentos testes e perder muitas horas pra garantir isso… 40% dos usuarios nao conseguirem se logar em um site eh um preco alto demais a se pagar

  • Walmar,

    Essa definição de acima da dobra é bem controvérsia mesmo. No site da empresa que trabalho, abrimos 7 vagas e anunciamos isso numa notícia, a qual ficou “acima da dobra”. No conteúdo da notícia, informamos que deveriam enviar os currículos para a área “Trabalhe conosco”, inclusive com um link direto para ela.

    Mas o que aconteceu? Não encontrando o item “Trabalhe conosco” no menu do site (bingo! encontramos um problema de usabilidade), as pessoas acessaram a área “Fale conosco” e enviaram mensagens solicitando para qual e-mail deviam encaminhar os currículos. O fato é que na página inicial, logo “abaixo da dobra” estava uma chamada com uma imagem bem colorida para a área “Trabalhe Conosco”.

    Numa dedução simplista, nota-se que a maioria dos candidatos não analisou “abaixo da dobra” e fez o mais fácil: Falar conosco.

    O que o “Yalli Oliveira” falou num comentário anterior é bem comum entre os nossos clientes. Mas na maioria dos casos conseguimos convence-los que estão equivocados.

  • Quanto ao termo, acho completamente normal que se use, mas é bom que seja adaptado o conteudo de uma forma que a maioria dos usuarios vejam conteudo suficiente para gostar do site antes de ter que rolar algo.

    mas não vejo problema com a rolagem vertical. a horizontal sim é perigosíssima!

  • Concordo com a visão do Alex.

    Apesar do termo ter suas limitações por ser importado de outra mídia, o fato é que o conteúdo visto na primeira tela é fundamental. No meu site, os anúncios “acima da dobra” têm uma taxa de clique absurdamente maior do que aqueles que só são vistos descendo a barra de rolagem.

  • https://fatorw.com.br/2006/10/26/area-visivel-dos-navegadores/
    Tu mesmo escreveu sobre a “área visível” dos navegadores.

    Acho ótima a evolução da discussão, pelo visto hoje já não acreditas mais naquilo que estava colocado no post de 2006 (desde lá tu já falavas que o ideal era um layout líquido, o que eu também concordo em alguns casos)

    Mas acredito que o designer, tem sim, que estimar ou tratar como premissa algum tipo de linha de rolagem (a dobra) nos seus projetos. Como saber até onde o usuário-padrão vai enxergar a sua tela numa primeira olhada? Será que aquela funcionalidade ou destaque importante irão aparecer de cara pra ele?

    (e dependendo do tipo de projeto, é possível estimar qual a resolução da maioria dos usuários…)

    Abraço!

  • seguindo seus pensamentos devemos rever agora como os jornais são espostos…

    já assinou um jornal… veio dobrado como na banca ou ensacado, sendo dobrado em 4 partes…

    sendo assim… ond seria assima da dobra do jornal…

    esquerda, prá cima… ?! ou direita, prá cima… ?!

  • Assino em baixo, teve sites que me acontecia isso, o chefe falava “diminui isso para ficar visível na primeira dobra” , tinha que o menino aqui refazer tudo até que estivesse tudo dentro da resolução requerida. Tudo nao passa de uma tremenda besteira pois depende muita da resolução, de onde o usuario esta acessando.

    Michel Ferreira
    http://www.michelferreira.com

  • é por essa visão que ele é o chefe, e vc continua sendo apenas o “menino”.

    a diferença é sutil, mas existe acima da dobra sim. são essas sutilezas que diferenciam os pequenos dos grandes marketeiros.

  • CLeyton, depende da resolução da máquina isso são termos chulos de quem não entende informática, o termo varia de monitor a monitor. Como você pode fazer um site para 800×600 o “acima da dobra” vai estar em uma posição, acesse o mesmo site em 1024×768 “acima da dobra” estará em outro ponto.

    A maioria das vezes os marketeiros só entende de marketing e usam de forma desorientada a união entre informática e marketing.

    Michel Ferreira
    http://www.michelferreira.com

  • ótimo post! concordo com vc plenamente. aqui em casa por exemplo eu uso um monitor de 21polegadas, com uma resolução bem pequena, já meu amigo ainda usa um monitor de 15 polegadas com aquelas resoluções antigas.